Geninho salvou uma gestão medíocre durante 1 ano e 5 meses

Com a proximidade do fim do segundo ano da gestão Judas Tadeu na presidência e Leonardo Arruda no departamento de futebol, é possível fazer uma constatação que salta aos olhos:  Geninho salvou a gestão alvinegra durante 1 ano e cinco meses. O ABC só funcionou com ele e mais ninguém.

Com Eugênio Machado Souto à beira do gramado, o ABC jogou 85 partidas. Venceu 37, empatou 24 e perdeu 24. Conquistou dois campeonatos estaduais, um acesso e classificou  para todas as competições nacionais.

Podemos separar o ABC em duas eras. Antes de Geninho (AG) e depois de Geninho (DG). Em ambas, não houve vida no futebol alvinegro. Somente fracassos e vergonhas.

E com os demais?

A gestão Judas Tadeu/Leonardo Arruda começou 2016 com a aposta Narciso. A passagem do ex-zagueiro santista foi vexatória. Foram 8 jogos, com duas vitórias, 2 empates e quatro derrotas.

Depois da saída de Narciso, começou uma época de glórias para o alvinegro. Foi e Era Geninho, com os números e conquistas citadas acima.

Depois de uma série de resultados negativos, Geninho foi substituído por Márcio Fernandes intercalada uma pequena interinidade de Ranielle Ribeiro (derrota diante do Criciúma, em SC). Depois começou pra valer a era Márcio Fernandes e a sequência de fiascos das épocas de Narciso se repetiram. Foram 5 jogos, apenas 1 vitória, 1 empate e 3 derrotas.

Terminada a catastrófica era Márcio Fernandes veio novamente uma breve interinidade de Ranielle Ribeiro, com mais dois jogos e duas derrotas, finalizando sua passagem com 3 jogos e 3 derrotas.

Vem então o quarto técnico na era Judas/Leonardo: Itamar Schulle. E também mais vexames no futebol alvinegro. 5 jogos, 2 empates e 3 derrotas.

Os números mostram o que a torcida já sabe. O ABC somente funcionou com Geninho.

Geninho dos Milagres. Salvou a gestão Judas/Leonardo durante 1 ano e cinco meses.

 

 

4 thoughts on “Geninho salvou uma gestão medíocre durante 1 ano e 5 meses

  1. Desde 2010, este foi o ano em que o ABC contratou a menor quantidade de jogadores.

    Apenas 48 jogadores estiveram no clube neste ano, enquanto que, por exemplo, em 2013 estiveram 74 jogadores, em 2014 estiveram 80 jogadores e em 2015 estiveram 67 jogadores.

    Devido às grandes dificuldades financeiras decorrentes das enormes dívidas trabalhistas, o clube optou por em 2016 e 2017 contratar uma menor quantidade de jogadores e com salários mais baixos do que nos anos anteriores.

    Diante das enormes exigências do PROFUT, estabelecidas na Lei nº 13.155/2015 e nos regulamentos das competições organizadas pela CBF desde o ano passado, a atual gestão do clube precisou ter uma responsabilidade financeira muito maior, principalmente pelo fato do clube já estar sofrendo várias ações trabalhistas anteriores.

    O time, apesar da baixa folha salarial, teve um bom rendimento nas 8 primeiras rodadas. Em seguida, teve aquela sequência de 8 derrotas, que começou com a perda da invencibilidade de 35 jogos no Frasqueirão, mas muitas daquelas 8 derrotas foram injustas e naquele momento o clube já estava com algumas dificuldades financeiras. Depois, as dificuldades financeiras do clube aumentaram bastante e obviamente influenciaram no rendimento do time.

    Alguns jogadores não repetiram no ABC o futebol que apresentaram no ano passado nos clubes em que estavam. Fabinho, Lucas Coelho e Tatá, por exemplo, foram muito bem na Série B 2016. Fabinho foi titular do Vila Nova em quase todos os jogos da Série B do ano passado. Lucas Coelho e Tatá conseguiram o acesso para a Série A jogando a maioria das partidas do Avaí na Série B do ano passado. Além disso, o ABC perdeu por contusão alguns jogadores que estavam bem, como Oswaldo, Filipe e Guedes, que desfalcaram o time em vários jogos.

    Este planejamento que foi feito pela Diretoria do clube em 2016 e 2017, consistente numa quantidade menor de contratações e com um teto salarial baixo, deu bons resultados na Série C de 2016 e nos Estaduais de 2016 e 2017, tendo o clube conseguido o acesso para a Série B e sido Bicampeão Potiguar depois de passar 5 anos sem conquistar nenhum título, mas obviamente dificultou o desempenho do time na Série B de 2017, uma competição em que os adversários tem elencos com folhas salariais muito maiores do que a atual folha do elenco do ABC.

  2. Eu ate compreendo esta explicação do internalta Ricardo, mas entendo tambem que o ABC nao soube explorar o patrimonio frasqueirao, nestes anos, e espero que para o ano de 2018 ele consiga explorar em dias de jogos e nos domingos e tambem alugar para shows, pois e uma otima fonte de renda para suprir quem sabe ate a folha de pagamento.

  3. VARIAS MANEIRAS DO ABC FATURAR, SEM QUE TODO ANO TENHA QUE ESPERAR POR CAIXA ECONOMICA FEDERAL, REDE GLOBO, CBF E OUTROS PATROCINADORES QUE TAMBEM SAO NECESSARIOS PARA TODOS OS TIMES.
    EX. 1 NOS DIAS DE JOGOS ABRIR O FRASQUEIRAO MAIS CEDO, PARA QUE O TORCEDOR POSSA PRESTIGIAR OS BARES E TAMBEM POR QUE NAO, O ABC FAZER SHOWS DE PAGODE, FEIJOADA E SORTEIOS DE PREMIOS PARA QUE O TORCEDOR SE DIVIRTA E AO MESMO AJUDE O TIME
    EX. 2 CONSTRUIR PISCINAS PARA QUE O SOCIO TORCEDOR POSSA LEVAR SUA FAMILIA PARA O MOMENTO DE LAZER ATE O INICIO DAS PARTIDAS OU AOS DOMINGOS COM MANHAS DE SOL.
    EX. 3 FAZER CAMPANHAS COM VALORES MAIS BAIXOS DE SOCIOS TORCEDORES, A PARTIR DE 10,00 E ESTES SOCIOS TEREM DIREITO TAMBEM A ESTES LAZERES ACIMA CITADOS
    EX. 3 NOS DIAS DE JOGOS O ABC FAZER UMA PARCERIA COM AS EMPRESAS DE ONIBUS PARA DEIXAR ONIBUS ESTACIONADOS EM FRENTE AO FRASQUEIRAO PARA QUE AO TERMINO DO JOGO O TORCEDOR CHEGUE EM CASA TRANQUILO, TEM QUE CATIVAR O TORCEDOR.
    VEJA QUE SÃO COISAS POSSIVEIS DE FAZER E SO QUERER.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *